De acordo com a Cruz Vermelha Libanesa, tiroteios mataram pelo menos 6 pessoas em Beirute, 30 conforme a manifestação organizada pelos movimentos Hezbollah e Amal se intensificou para exigir a demissão do investigador-chefe pela explosão do porto no ano passado.

Centenas de manifestantes se reuniram no Palácio da Justiça em Beirute na quinta-feira, pedindo a demissão do juiz Tarek Bitar e acusando-o de preconceito político.

Tiros soaram no distrito de Sunne, nas proximidades, e manifestantes furiosos se espalharam ao redor. O confronto entre facções aparentemente rivais durou pelo menos quatro horas.

A identidade e afiliação do atirador não foram imediatamente aparentes.

“O Exército bloqueou rapidamente a área e posicionou-a em seu bairro e em sua entrada. A patrulha começou da mesma forma que a busca por arqueiros para detê-los”, disse o Exército em um comunicado.

O primeiro-ministro Najib Mikati alertou contra as tentativas de arrastar o Líbano para a violência, pedindo uma recuperação tranquila.

As atualizações mais recentes são:


Forças armadas se espalham e matam a tiros: Hezbollah

O poderoso movimento xiita Hezbollah do Líbano disse que os manifestantes do grupo e o movimento Amal foram atacados por grupos armados das Forças Cristãs Libanesas.

O Hezbollah disse que atiradores atiraram do alto do prédio na tentativa de matar pessoas.


Recuperou a relativa calma em Beirute

Zeina Khodr, da Al Jazeera, diz que se recuperou com relativa calma.

“A arma está silenciosa e parece haver uma trégua não declarada após um confronto de quatro horas.”


França: As sondas portuárias devem ser executadas de forma independente

Uma porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França disse que as autoridades judiciais libanesas devem ser capazes de realizar uma investigação independente e imparcial na explosão do porto em Beirute no ano passado.


Forças de segurança libanesas estão entrando em ação perto do local após um tiroteio no distrito de Tayune, em Beirute [Hussam Shbaro/Anadolu Agency]

Nações Unidas pede “restrição máxima”

A Coordenadora Especial do Líbano na ONU, Joanna Ronekka, expressou preocupação.

“Neste ponto, é importante mostrar o máximo de contenção, acalmar e proteger o público”, disse Wronecka em um tweet.



As ruas de Beirute parecem uma “zona de guerra”

De acordo com relatórios de Beirute, Zeina Kodol da Al Jazeera diz que as ruas da cidade parecem zonas de guerra.

“Este é o tiroteio mais sério e violento na cidade de Beirute em poucos anos. Toda a região é uma zona de guerra, o exército está fora e em força, mas ainda incapaz de conter a situação, esses tiroteios em curso “, disse ela.


Lutadores xiitas se escondem em confronto na região de Tayune [Anwar Amro/AFP]

Beirute viu “um tiro na cabeça com munição real”

Depois de se reunir com o chefe da agência de segurança, o Ministro do Interior Bassam Malawi disse em um comunicado:

“A paz cidadã entre os libaneses não deve ser jogada.”

Mawlawi disse que a investigação está em andamento e todas as medidas de segurança serão tomadas.



Crianças presas em um confronto

De acordo com relatórios de Beirute, Zeina Khodr, da Al Jazeera, diz que as crianças ficaram presas na escola após o confronto.

“As pessoas estão presas em suas casas, mas algumas crianças ainda estão presas na escola. As pessoas estão com medo, não sabem o que está acontecendo em sua cidade. fronteira que data da época da Guerra Civil (1975-90).

“É uma cena como esta que traz muitas memórias de muitos libaneses que foram traumatizados por muitos ataques de violência, mas este é um dos piores ataques de violência.”



Defesa civil está tentando evacuar moradores pegos em uma fogueira

De acordo com um relatório de Beirute, Kalimche Haiev da Al Jazeera disse que as forças civis de defesa estão tentando ajudar a evacuar os residentes envolvidos na fogueira.

Ele acrescentou que o primeiro-ministro Najib Mikati está atualmente em negociações com o chefe da agência de segurança durante os confrontos em curso.


..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *